10 de set de 2012

Aprenda a carregar o bebê com canguru e sling de forma segura


As mamães famosas, Adriane Galisteu e Claudia Leitte, vira e mexe são fotografadas carregando seus filhos em sling ou canguru, acessórios que estão roubando a cena dos tradicionais carrinhos de bebê. Além de práticos, já que permitem que as mãos fiquem livres, deixam mãe e criança mais juntinhos. E que mulher não gosta de sentir o cheiro e o calor do bebê bem de pertinho, não é mesmo?
Pequenas diferenças
Os slings, feitos de tecidos macios, sem estrutura fixa, são apoiados em um ombro só e atravessa o corpo da mulher, deixando a área do peito disponível para amamentar. Como eles são bem maleáveis, o bebê não consegue ficar na posição sentada, por isso é importante prestar atenção se o rosto da criança está acomodado corretamente e visível o tempo todo para quem o carrega, garantindo seu bem-estar.
Já os cangurus lembram uma cadeirinha na forma de mochila. Tem o modelo flexível e outro com estrutura mais dura e reforçada (conhecido como canguru ergonômico). Este segundo deixa o bebê em uma posição correta e confortável: “Mantém as perninhas abertas, aproximadamente, 45º em relação ao eixo corporal e os quadris flexionados de forma que os joelhos fiquem a uma altura um pouco superior à altura das nádegas. A cabeça do fêmur fica perfeitamente encaixada”, explica o quiropraxista da clínica QuiroVida, Luiz Miyajima. Podem ser usados com o bebê de frente para o peito de quem o carrega durante os primeiros meses. Quando ele tiver controle da cabeça, é possível ficar virado de costas para a mãe. Pelo formato, ajuda a distribuir melhor o peso da criança à medida que ela cresce, e não sobrecarrega tanto os ombros e as costas de quem a leva.
Tira-dúvidas
> Quais os principais cuidados que as mães devem ter ao usar sling ou canguru?
Luiz Miyajima diz que o principal é verificar se o peso do acessório está bem distribuído dos dois lados. “Se não estiver, pode sobrecarregar a coluna e a bacia. O resultado são dores nas costas, no bumbum ou até irradiadas para a região da virilha.” Outra dica, no caso de slings, é alternar frequentemente o ombro de apoio.
Treinar o uso em casa também é uma ótima opção. “Para evitar desconfortos, é preciso manter a postura ereta e olhar sempre para frente. Evitar consumir bebidas quentes enquanto está carregando o bebê no canguru é uma medida de segurança, assim como fazer qualquer tipo de refeição”, aconselha a gerente comercial da marca de produtos infantis Infanti, Lilian Pimenta.
Ao agachar para pegar algum objeto, é recomendável a mãe segurar sempre as costas do bebê, abaixar-se lentamente com a coluna reta, sem curvar-se e fazer movimentos bruscos. Prestar atenção em degraus e depressões nas ruas e calçadas evita tropeços. E nunca use esses acessórios para transportar o bebê dentro do carro. “As melhores opções são as cadeirinhas de segurança”, reforça Lilian.
Quando o bebê estiver virado para o peito, a mãe deve ficar atenta a paninhos e fraldinhas, para não causar sufocamento.
> Quando a mãe deve suspender o uso do acessório?
Quando o peso do bebê for demais para carregá-lo facilmente e ela começar a sentir alterações na postura e dores na coluna. “Quando o filho estiver aprendendo a caminhar, resista aos seus pedidos constantes de ser carregado. Será difícil, mas é importante manter-se firme nessa atitude, para benefício da coluna”, lembra o quiropraxista.
> Para aliviar ou fortalecer a musculatura, o que é preciso fazer?
Miyajima recomenda sempre contrair os músculos abdominais antes de levantar o bebê, para preservar a coluna. Ele lembra ainda que, quanto mais forte estiverem os músculos abdominais e da coluna lombar, menos prejudicial será para a mãe. “A força e a musculatura abdominal permitem que qualquer carga seja levantada, em vez de somente usar os músculos da coluna lombar, evitando sobrecarregar as costas”, explica.

0 comentários:

Postar um comentário