18 de ago de 2012

Grávidas ao volante precisam de atenção.



Há quem ache que a grávida tem que ficar em casa, sem fazer esforço e evitando grandes tumultos. Claro que em gestações de risco esses cuidados são fundamentais, mas a gravidez não é sinônimo de invalidez. As futuras mamães podem trabalhar, se exercitar e também dirigir. Mas antes de pegar o carro e sair por aí, observe alguns cuidados ao volante: cinto de segurança, espaçamento da poltrona, velocidade máxima permitida. A não observação dessas dicas pode ser perigosa. Partos prematuros, lesões, hemorragias e até mesmo a perda do bebê podem ser consequência de uma direção nada prudente. Fique atenta!
"O Código de Trânsito Brasileiro não proíbe a grávida de dirigir, entretanto ela precisa entender que há riscos. Sobretudo no primeiro trimestre de gravidez, quando os enjôos e as tonturas são muito frequentes. Mas com a vida corrida, a responsabilidade de pegar os filhos na escola, dirigir pode ser uma necessidade", constata Flávio Emir Adura, presidente da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet).
Pequenas freadas podem causar ruptura do útero, hemorragia e até parto prematuro

Quem pode dirigir
Até 1997, o Código de Trânsito Brasileiro impedia as mulheres grávidas de dirigir a partir do quinto mês de gestação. É que além do bebê estar mais agitado na barriga, podendo desviar a atenção da mãe, os reflexos da mulher durante a gravidez se tornam mais lentos e os riscos de acidente aumentam. Isso ficou no passado.
O atual código não faz nenhuma restrição, mas especialistas alertam: "Teoricamente as grávidas que não apresentam nenhum problema durante a gestação podem dirigir até o nono mês de gestação. No entanto, após o sétimo mês, a prática começa a ficar complicada já que a barriga está muito grande, a posição do cinto atrapalha e as pernas incham", afirma o ginecologista Márcio Coslovsky. Por isso, é altamente recomendável que a partir deste período os cuidados sejam redobrados.
Já no nono mês é necessário reavaliar se a direção é absolutamente necessária. "O risco é altíssimo!", alerta Flávio Emir Adura. Mulheres com aumento do útero por gravidez de gêmeos, com o fundo uterino acima do esperado, pressão alta, pés inchados, tomando remédios para enjôo e com sangramentos ou rutura da bolsa d'água não devem dirigir. Os medicamentos contra enjôo causam sonolência e o inchaço nos pés dificulta a movimentação dos pedais.

Recomendações
Colisões, freadas bruscas, buracos, derrapagens. As ruas e estradas oferecem dezenas de perigos e com as grávidas, os riscos são ainda maiores. "Quando a barriga fica muito próxima ao volante, qualquer colisão ou freada mais brusca pode fazer com que a barriga encoste nele e haja descolamento de placenta", exemplifica Márcio. E Flávio acrescenta: "Pequenas freadas podem causar ruptura do útero, hemorragia e até parto prematuro". Por isso, alguns cuidados são de extrema importância. A começar por ele – o cinto de segurança.

0 comentários:

Postar um comentário